..

"A alma que não se abate, que recebe indiferentemente tanto a tristeza como a alegria, vive na vida imortal."Fonte - Bhagavad-Gita

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Lua azul




A Lua agora está em Aquário, preparando-se para chegar ao grau da Lua Azul, à 1h46min (GMT) do dia 21 de agosto. Estes são os preparativos finais para esta Lua Azul incomum, que prenuncia uma purificação das coisas que não mais devemos permitir que nos definam. Ao nos aproximarmos desse momento de grande intensidade, os céus falam das responsabilidades que carregamos como indivíduos singulares num mundo em que precisamos encontrar um modo de viver e trabalhar juntos como um só ser.

Ninguém pode viver num vácuo. Embora, olhando “de fora”, possa parecer que somos totalmente separados uns dos outros, nós respiramos o mesmo ar, ocupamos o mesmo planeta e olhamos para as mesmas estrelas. Não existe separação, e o principal desafio deste momento é reconhecer exatamente isso e fazer ou renovar nosso compromisso de viver de acordo com isso. Cada ação, cada palavra, cada respiração desencadeia uma propagação ondulatória por todo o cosmos. Se pudéssemos enxergar essas ondulações, talvez fôssemos mais atentos ao que enviamos. Se pudéssemos observar a irradiação de energia de uma palavra pesada, dita num momento de raiva, invadindo o espaço pessoal de todos à nossa volta, ou de um ato de bondade fazendo o mesmo, talvez fosse bem mais fácil nos conscientizarmos do efeito propagador que criamos com nossos discursos e ações.

Mas poucos de nós possuem a capacidade de enxergar claramente esses sinais, e é por isto que precisamos nos manter alertas ao fato de que até a ação aparentemente mais insignificante e inconsequente tem consequências que se estendem muito além das nossas próprias vidas. São essas consequências que somos convidados a contemplar hoje, pois neste momento, em que muitas dores do passado e energias antigas estão vindo à tona para serem curadas e purificadas, é possível que nos sintamos oprimidos por emoções, pensamentos e sensações que nos afastem do tipo de percepção que nos manteria conscientes dessas coisas. Em meio à intensidade das emoções, pode ser difícil permanecer centrado e presente, assim como é difícil educar uma mente extremamente ativa que está sempre imaginando a próxima e provável catástrofe.

Com muita frequência, estamos reagindo à vida, não vivendo-a. E nossas reações vêm de um ponto dentro de nós que não está em contato com o momento presente! É assim que perpetuamos o passado – revivendo-o, interpretando o presente de acordo com ele, reagindo como se ainda estivéssemos lá atrás e enviando ondas de propagação que dizem: “nada mudou, especialmente eu e minha vida”. Finalmente, depois de completar seus círculos, essas ondulações acabam voltando de novo para nós, começando mais um ciclo dos mesmos velhos dramas, traumas e desafios, que parecem vindos do nada, mas que, na verdade, têm suas raízes nas nossas decisões e comportamentos anteriores, e na nossa interpretação da vida.

Hoje temos a oportunidade de criar ondulações totalmente novas, que levem uma nova mensagem ao ambiente em que vivemos e mais além. Isto requer consciência e comprometimento com o momento presente, para não nos deixarmos seduzir pelo passado familiar, com todos seus problemas acolhedores. Requer também coragem para contarmos uma história diferente sobre nós mesmos, para abordarmos a vida com mente aberta e enxergá-la com novos olhos. Mas quanto mais pessoas conseguirem fazer isto hoje, mais profunda será a cura disponível na próxima Lua Azul para todos, porque cada ligação ao passado que é liberada agora aumenta o efeito desta propagação ondulatória em particular para o coletivo. Cada momento em que conseguimos estar no presente e não no passado é mais um momento de liberdade num mundo onde tantos estão presos a tantas coisas. E pouco a pouco essa massa crítica de liberdade vai se formando, crescendo momento a momento, à medida que cada um de nós faz o que pode para começar de novo, abraçando a vida como ela é agora, não como era no passado, quando éramos uma pessoa diferente vivendo de uma forma diferente.

Aqui ficam meus votos de que vocês tenham (e eu também) um dia de ondulações de liberdade!
Sarah Varcas
Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário