..

"A alma que não se abate, que recebe indiferentemente tanto a tristeza como a alegria, vive na vida imortal."Fonte - Bhagavad-Gita

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

ASHTANGA YOGA



Pátañjala Yoga
Ashtanga (ashta, oito; anga, membro) Yoga é o Yoga de oito componentes, mais conhecido como Rája Yoga (Yoga Real). Foi codificado pelo sábio Pátañjali, baseando-se nos milenares conhecimentos yogis que a tradição oral transmitia através das gerações, de Guru a discípulo. Era um conhecimento esparso e assistemático, embora verdadeiro e profundo.

Pátañjali produziu um pequeno manual chamado Yoga Sútra, em quatro capítulos, ensinando inclusive as oito etapas do caminho (marga) a ser percorrido pelo aspirante, culminando com a realização de kaivalya ou libertação da Consciência (Purusha) de sua servidão e confinamento na matéria (Prakriti). A libertação só acontece quando a mente atinge o estado de total quietude, vazio, silêncio e abstração.

O método é uma ascese eficiente, que permite, passo a passo, a correção das imperfeições da mente, bem como, por fim, sua perfeita quietude e lucidez.

Cessado todo funcionamento da mente objetiva, produz-se a libertação da Consciência ou Espírito.

O Espírito, restituído à sua plena liberdade, entra no gozo do Ser.

O que nos impede gozar a Suprema Bem-Aventurança (Ananda), segundo Pátañjali, é o febril funcionamento da mente, assim como só se consegue ver a Lua em sua inteireza, quando refletida no lago, se as ondulações deste se aquietarem totalmente.

Nossa mente, em seu estado normal, isto é, em sua condição de mediocridade, é impura, desconcentrada, toldada e agitada. A prática do Ashtanga Yoga corrige todas essas condições, e condiciona a mente para a experiência culminante de sua cessação.

Os Angas:

São os oito componentes do sistema:

1. Yama;

2. Niyama;

3. Ásana;

4. Pránáyáma;

5. Pratyáhára;

6. Dháraná;

7. Dhyána;

8. Samádhi.

Vejamo-los um a um.

Yama

Yama é o conjunto de cinco abstenções em nosso comportamento, visando a estabelecer um relacionamento perfeito e eficiente com nossos semelhantes. É um comportamento moral perfeito. As cinco abstinências são:

1. Ahimsá, que é objeto de estudo de todo o livro Convite à Não-violência (não ferir);

2. Satya, a veracidade, o oposto de hipocrisia (não mentir);

3. Asteya, o evitar a apropriação indébita (não furtar);

4. Brahmacharya, a vida casta, isto é, voltada para Deus (não explorar sexualmente);

5. Aparigraha, evitar a insatisfação (não cobiçar).

Não pode ser eficaz e verdadeira a meditação de alguém que está em dívida com seus semelhantes, se há alguém a quem feriu, a quem enganou, a quem furtou, a quem explorou sexualmente, a quem deseja ou desejou arrebatar algo. As vítimas estarão vibrando contra o pretenso meditante. À mente deste acorrerão lembranças e remorsos, que a inquietarão e frustrarão a pretensão de meditar. São Paulo insistiu:

Fazei o possível para viver em paz com os homens...Rm, 12:18

Niyama

Niyama é o conjunto de cinco preceitos que, bem cumpridos, produz a paz no mundo interno. Yama gera a paz com os outros. Niyama gera a paz conosco mesmos. Formam niyama:

1. Shauchan (pronuncia-se saucha) significa pureza interna, externa, física e mental (mantenha-se puro);

2. Santosha significa contentamento (contente-se com o que tem, com o que faz, com não poder ter, com o que não pode fazer...);

3. Tapas é uma palavra que literalmente significa queimar. Queimar por quê? É o fogo que não somente purifica, mas melhora a têmpera.

Um aspirante é um asceta que, na ascese, aprimora a têmpera, se fortalecendo para vencer o "caminho estreito". Tapas é disciplina, austeridade, resistência contra a fadiga, o desconforto e a doença (seja um forte);

4. Swádhyáya significa procurar conhecer-se, não somente como personagem, mas como Ator, isto é, como ego mortal e como o próprio Ser, que todos somos ("conhece-te a ti mesmo");

5. Íshvara pranidhána significa entregar-se a Íshvara (o Senhor). Sem a Graça Divina, o esforço do aspirante ao Yoga é impotente. Humildando-se enquanto se esforça no sádhana (disciplina espiritual), o aspirante se entrega total e incondicionalmente a Íshvara (Deus pessoal). Conseguimos o máximo quando permitimos que seja feita a vontade de Deus (entregue-se irrestritamente a Deus).

Puro, contente, resistente e bem curtido, conhecendo-se a si mesmo e entregue às mãos de Deus, alcança-se a paz, a paz pessoal, aquele que "transcende a compreensão humana", aquela que só o Cristo (Íshvara) nos pode dar. Não é a paz que compramos do mundo.

Ásana

Ásana é a postura do corpo, que deve ser confortável e estável, a tal ponto que nos permita meditar por um bom tempo, sem sentir desconforto (dores, fadigas...) nem desafio ao equilíbrio. Só assim podemos meditar com eficácia. O conforto e a estabilidade nos permitem atingir um estado no qual o corpo é como se não existisse. Diríamos que então se goza paz no corpo.

Pránáyáma

Pránáyáma é o controle da bioenergia (prána), que mantém vivo o corpo e vivifica a mente. É só quando o alento praticamente pára, estando não obstante todo o sistema abastecido de energia, que os movimentos rebeldes da mente podem parar. Paz no sistema energético.

Pratyáhára

Pratyáhára é a suspensão das funções sensórias. Os órgãos dos sentidos são desligados. Suas mensagens não atingem o cérebro. É a paz dos sentidos.

Dháraná

Dháraná é o estado de concentração da mente, com relativa minimização de seus movimentos agitados.

Dhyána

Dhyána é o estado de meditação que sucede a uma concentração que se prolonga. O objeto em que se medita está a maior parte do tempo ininterruptamente ocupando a atenção.

Samádhi

Samádhi acontece quando a meditação se prolonga e permite que a mente que contempla e o objeto contemplado se unifiquem, e os movimentos (vrittis) conseqüentemente páram. É um estado feliz. É quando se alcança o Yoga. É quando o Espírito (purusha) se liberta e se isola em seu Reino de Bem-Aventurança e Plenitude.

O Ashtanga Yoga não comete o equívoco de pretender atingir a Meta suprema através de técnicas (físicas, psíquicas, psicofísicas, sexuais, energéticas...) que "falsos profetas" nos dias atuais andam propondo, e disto tirando grande proveito econômico para suas multinacionais empresas de "meditação", "controles", "iluminações", "despertamentos de kundaliní", "poderes paranormais"... e muitas outras mistificações.

A transformação ética é pré-requisito indispensável às práticas e a todo restante do sádhana. Enquanto reinar em nós um ego capaz de ferir, que gosta de mentir, que não vacila em furtar, que se entrega a curtições eróticas selvagens, permanentemente descontente e reivindicante, que não tem o mínimo de eqüanimidade e endurance (resistência nobre), que não tem qualquer percepção sobre si mesmo (um alienado, portanto) e que desconhece Deus e conseqüentemente muito menos se devota a Ele, é imprudente iniciar as práticas do Rája Yoga e de outros Yogas igualmente austeros e arriscados como o Laya e o Kundaliní Yoga.

Técnicas sem ética, propõem os charlatães.

Primeiro, a ética, e, depois, as técnicas: propõem os verdadeiros Mestres.


Extraído do livro Convite à Não-violência, Editora Nova Era, e digitado por Cristiano Bezerra.




Grata ao querido Pedro Kupfer por esse artigo!
Hari Om
Lu _/\_

Nenhum comentário:

Postar um comentário