..

"A alma que não se abate, que recebe indiferentemente tanto a tristeza como a alegria, vive na vida imortal."Fonte - Bhagavad-Gita

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

yama - Princípios de harmonia com os outros




 PRIMEIRO ESTÁGIO:

YAMA:
Raiz da árvore do yoga segundo B.K.S. Iyengar
  • Refreamento;
  • O que deve ser evitado.
  •  Disciplina Ética.
  •  Mandamentos morais universal transcendendo credos, países, épocas e tempos.
  • Disciplina social e individual relacionada aos cinco órgãos da ação: braços, pernas, órgãos reprodutores e excretores.
  • Abrange Cinco princípios: Ahimsa; Satya; Asteya; Brahmacharya e Aparigraha. 

Yámas:
  • AHIMSA: A Não-Violência:1.AHIMSA: Não – Violência. Himsa= verbo que significa machucar, ferir.
    A= negação.
    Como levar o ahimsa para a prática de yoga ,evitando forçar perigosamente o próprio corpo. Qual a força motriz para a violência?
    A Raiva( Uma ameaça em potencial e real á Paz). Para o filósofo estóico Sêneca a raiva é a mais hedionda e frenética das emoções.Raiva é uma ameaça á sobrevivência da humanidade, aos valores humanos e ao ambiente.Nos últimos anos vários estudos científicos comprovaram o que a experiência já havia nos ensinado: a raiva e sua forma superlativa_ o ódio_ enfraquecem as defesas do organismo e são uma causa importante de doenças e morte prematura. Além disso, por destruírem nossa serenidade mental e nossa virtude, a raiva e o ódio podem ser considerados os maiores obstáculos ao desenvolvimento da compaixão e do altruísmo.


    O Avô e os lobos

    Um velho avô disse ao neto, que veio a ele com raiva de um amigo o qual lhe havia feito uma injustiça.
    “ Deixe-me contar-te uma história. Eu mesmo, algumas vezes, senti grande ódio daqueles que aprontaram tanto, sem qualquer arrependimento daquilo que fizeram. Todavia, o ódio corrói você, mas não fere seu inimigo. É o mesmo que tomar veneno, desejando que seu inimigo morra. Lutei muitas vezes contra esses sentimentos.”
    E ele continuou:
    “ É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom e não magoa. Ele vive em harmonia com todos ao redor dele e não se ofende quando não se teve intenção de ofender. Ele só lutará quando for certo fazer isto e da maneira correta.”
    “ Mas, o outro lobo, ah! Este é cheio de raiva. Mesmo as pequeninas coisas o lançam num ataque de ira. Ele briga com todos  o tempo todo, sem qualquer motivo. Ele não pode pensar porque sua raiva não irá mudar coisa alguma.
    Algumas vezes é difícil conviver com estes dois lobos dentro de mim, pois ambos tentam dominar meu espírito.”
    O garoto olhou intensamente nos olhos do seu avô e perguntou: e qual deles vence, vovô?!
    O avô sorriu e respondeu baixinho: Aquele que eu alimento mais freqüentemente.




    SATYA: A Verdade. SATYA.Veracidade.Aqui nesse yama há um apelo á forma como você utiliza a verdade. Lembrar de evitar criticar, condenar e queixar-se de alguém, situação e a você mesmo(a).
    A verdade aqui é abordada no sentido de se fazer ser verdadeiro consigo mesmo no ãmbito emocional, físico, mental e espiritual. Praticando a ahimsa, a não-violência, na maneira de se comunicar consigo mesmo e com tudo mais a seu redor. O fato de você falar a verdade e vivenciá-la não lhe dá o direito de ser arrogante, prepotente, cruel e agressivo quando exteriorizar a sua verdade. Essa é a mensagem desse yáma.




    A Maneira de Dizer a Verdade 

    • Certa vez, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou mandou chamar um advinho para que interpretasse seu sonho.
      _ Que desgraça, senhor! Exclamou o advinho. Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.
      _Mas que insolente! Gritou o sultão enfurecido. _Como te atreves a dizer-me semelhante coisa?! Fora daqui!
      Chamou os guardas e ordenou que lhe desse, 100 açoites. Mandou que trouxessem outro advinho e lhe contou seu sonho. Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:
      _ Excelso senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.
      A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar 100 moedas de ouro ao segundo advinho. E quando este saía do palácio um dos cortesãos lhe disse admirado:
      _ Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque ao primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.
      _ Lembra-te, meu amigo, respondeu o advinho: _ que tudo depende da maneira de dizer.
      Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, paz ou guerra. Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta dúvida. Mas a forma como ela é comunicada é que tem provocado em alguns casos grandes problemas. A verdade pode ser comparada a uma pedra preciosa. Se a lançarmos no rosto de alguém pode ferir, provocando dor e revolta. Mas se a envolvermos em delicada embalagem e a oferecemos com ternura, certamente será aceita com facilidade.
      A embalagem, nesse caso, é a indulgência, o carinho, a compreensão e acima de tudo, a vontade sincera de ajudar a pessoa a quem nos dirigimos.
      Ademais, será sábio de nossa parte, antes de dizer aos outros o que julgamos ser uma verdade, dizê-la a nós mesmos diante do espelho. E , conforme seja a nossa reação, podemos seguir em frente ou não.



      ASTEYA: Não-roubar:
      • Não- Roubar. 
      • Abstenção da avareza;
      • Excessivo e sórdido apego ao dinheiro, pessoas, situações; enganação;
      • falta de generosidade; mesquinhez; ciúme; zêlo.
      • Não-roubar tempo dos outros, espaço dos outros.
      • Mensagem: dar créditos ás pessoas. Elogiar honesta e sinceramente os seus íntimos, as pessoas as quais convive.
      •  Lembrar-se de praticar o elogio a si mesmo.



      O Sábio Mestre

      Há muito tempo atrás havia um mestre que vivia junto com um grande número de discípulos em um templo arruinado.Os discípulos sobreviviam através de esmolas e doações conseguidas numa cidade próxima. Logo, muitos deles começaram a reclamar sobre as péssimas condições em que viviam.Em resposta, o velho mestre disse um dia: “ Nós devemos reformar as paredes do templo. Desde que nós somente ocupamos o nosso tempo estudando e meditando, não há tempo para que possamos trabalhar e arrecadar o dinheiro que precisamos. Assim, eu pensei numa solução simples.”
      Todos os estudantes se reuniram diante do mestre, ansiosos em ouvir suas palavras.
      E o mestre disse: “ Cada um de vocês deve ir para a cidade e roubar bens que poderão ser vendidos para a arrecadação de dinheiro. Desta forma, nós seremos capazes de fazer uma boa reforma em nosso templo.”
      Os estudantes ficaram espantados por este tipo de sugestão vir do sábio mestre. Mas, desde que todos tinham maior respeito por ele, não fizeram nenhum protesto. O mestre disse logo a seguir, de modo bastante severo:
      “ No sentido de não manchar a nossa excelente reputação, por estarmos cometendo atos ilegais e imorais, solicito que cometam o roubo somente quando ninguém estiver olhando. Eu não quero que ninguém seja pego.”
      Quando o mestre se afastou os estudantes discutiram o plano entre eles. “ È errado roubar”, disse um deles. “ Por que nosso mestre nos solicitou para cometermos este ato?” Um deles perguntou e outro respondeu em seguida: “ Isto permitirá que possamos reformar o nosso templo, no qual é uma boa causa.”
      Assim todos concordaram que o mestre era sábio e justo e deveria ter uma razão para fazer tal tipo de requisição. Logo, partiram em direção à cidade, prometendo coletivamente que eles não seriam pegos, para não causarem a desgraça para o templo. “ Sejam cuidadosos e não deixe que ninguém os veja roubando” , incentivavam uns aos outros, todos os estudantes que foram á cidade, com exceção de um.  O sábio mestre se aproximou dele e perguntou-lhe: “ Por que você ficou pra trás?!”
      O garoto respondeu: “ Eu não posso seguir as suas instruções para roubar onde ninguém esteja me vendo. Não importa aonde eu vá, eu sempre estarei olhando para  mim mesmo. Meus próprios olhos irão me ver roubando. O sábio mestre abraçou o garoto com um sorriso de alegria e disse: “ Eu somente estava testando a integridade de meus estudantes e você é o único que passou no teste.”
      Após muitos anos o garoto se tornou um grande mestre.



      BRAHMACHARYA:
      Contenção da energia sexual

      • Não- promiscuidade.
      • Mensagem: Controle do prazer sensorial. 
      • Outras definições: celibato, estudo religioso, castidade.Evitar relações sexuais ás quais você não exalte a espiritualidade da pessoa, á qual você não enxerga no outro a sua alma divina, a qual você não entenda que a quem você se entrega é uma alma em movimento que habita um corpo. 




      Dois amigos e quatro mulheres

      “ Que maravilha é ter duas mulheres”, falou entusiasmado um homem ao seu amigo, enquanto fumavam narguilé num bar. Com as mais floreadas palavras, ele louvava a variedade e a magnificência de poder testemunhar o fato de que duas flores podem ter perfumes tão diferentes. Os olhos do amigo ficavam cada vez mais arregalados. “ Meu amigo deve viver tão bem como no paraíso”, pensou ele com seus botões. “ Por que não deveria eu também saborear a doçura de ter duas mulheres como meu amigo aqui provavelmente faz? “
      Logo após esse encontro, ele tomou para si uma segunda esposa. Ao tentar compartilhar o leito nupcial com ela na noite do casamento, ela o rejeitou zangadamente.
      “ Deixe-me dormir” , disse ela, “ vai procurar tua primeira esposa. Eu não quero uma quinta roda na carreta. Escolhe: ou eu, ou a tua outra esposa”.
      Em busca de consolo, ele foi até sua segunda esposa.Mas , quando tentou deitar na cama junto a ela, veio a reclamação: “ Não comigo! Se casaste com uma segunda mulher é porque  eu não te sou suficiente, então volta para os braços dela!”
      Nada mais lhe restava fazer senão sair de sua própria casa e buscar um lugar para dormir na mesquita mais próxima. Quando tentava adormecer em posição de oração , escutou alguém que pigarreava atrás dele. Espantado, voltou-se para trás, pois a pessoa que havia chegado não era outra senão seu bom amigo que havia exaltado a maravilha de ter duas esposas.
      “ Por que vieste aqui?” perguntou ele assombrado.
      “ Minhas esposas não me deixam chegar perto delas. Assim tem sido por várias semanas.”
      “ Mas então por que me disseste que era maravilhoso viver com duas esposas?”
      Envergonhado, o amigo respondeu: “ Eu me sentia tão solitário nessa mesquita, que desejava ter um amigo comigo…”






      • APARIGRAHA: Desapego, lei do distanciamento.
      • Não – possessividade.
      • Evitar querer colecionar pessoas, coisas, situações às quais não lhe são mais úteis.
      • Aprender a largar, aprender a abandonar hábitos fúteis, condicionamentos que lhe fazem mal e são opressores.
      • Aprender que nada e nem ninguém lhe pertence.
      • Mensagem: “ Cuide de seu jardim que as borboletas vêm até você.”

      Amigo


      Numa aldeia vietnamita, um orfanato dirigido por um grupo de missionários foi atingido por um bombardeio.
      Os missionários e duas crianças tiveram morte imediata e os restantes ficaram gravemente feridos. Entre elas uma menina de 8 anos, considerada em pior estado. Foi necessário chamar a ajuda por rádio e ao fim de algum tempo um médico e uma enfermeira da marinha dos EUA chegaram ao local. Teriam que agir rapidamente, senão a menina morreria devido ao traumatismo e a perda de sangue. Era urgente fazer uma transfusão, mas como?
      Após vários testes rápidos, puderam perceber que ninguém ali possuía o tipo de sangue necessário. Reuniram as crianças e entre gesticulações, arranhadas no idioma tentaram explicar o que estava acontecendo e que precisariam de um voluntário para doar sangue.
      Depois de um silêncio sepulcral , viu-se um braço magrinho levantar timidamente. Era um menino chamado Heng. Ele foi preparado às pressas ao lado da menina agonizante e espetaram-lhe uma agulha na veia. Ele se mantinha quieto e com o olhar no teto.
      Passado um momento, ele deixou escapar um soluço e tapou o rosto com a mão que estava livre. O médico perguntou-lhe se estava doendo e ele negou. Mas, não demorou muito a soluçar de novo, contendo as lágrimas. O médico ficou preocupado e voltou a lhe perguntar, e novamente ele negou. Os soluços ocasionais deram lugar a um choro silencioso e ininterrupto. Era evidente que alguma coisa estava errada. Foi então que apareceu uma enfermeira vietnamita vinda de outra ala. O médico pediu então que ela procurasse saber o que estava acontecendo com o Heng. Com a voz meiga e doce, a enfermeira foi conversando com ele e explicando algumas coisas, e o rostinho do menino foi se aliviando….
      Minutos depois ele estava novamente tranqüilo. A enfermeira então explicou aos americamos:
      _ “ Ele pensou que ia morrer, não tinha entendido direito o que vocês disseram e estava achando que ia ter que dar TODO o seu sangue para a menina não morrer.”
      O médico se aproximou dele, e com a ajuda da enfermeira, perguntou-lhe:
      _” Mas se era assim por que então você se ofereceu a doar seu sangue para ela?
      E o menino respondeu simplesmente:
      _” Ela era minha AMIGA”

Nenhum comentário:

Postar um comentário